Alemdasaulas's Blog

Isto é uma espécie de portofolio ;P

Aquíferos fevereiro 27, 2015

Filed under: Uncategorized — alemdasaulas @ 00:52
Tags:

ciclo_agua_portoeditora

porosidade_permeabilidade_areal_editoresaquiferos_areal_editoresaquifero_zonas_arealeditores aquiferos_arealeditores    aquiferos_riscos_gestao_portoeditora

 

Protegido: Minerais- conceitos básicos fevereiro 25, 2015

Filed under: 11.º Ano de Geologia — alemdasaulas @ 11:22
Tags:

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

 

Sílex fevereiro 24, 2015

Filed under: Uncategorized — alemdasaulas @ 19:19

Sílex, a primeira matéria-prima Fonte: http://sopasdepedra.blogspot.pt/2013/11/silex-primeira-materia-prima.html DESDE sempre a natureza ofereceu ao homem tudo o que ele necessita para viver, – a água, o ar, os produtos vegetais e animais de que se alimenta e, ainda, as rochas e os minerais. Do sílex, no Paleolítico Antigo, ao actualíssimo “coltan”, passando pelo barro, pelos minérios de ouro, cobre, estanho, ferro e muitos outros, o homem teve artes de, ao longo do tempo, retirar da geodiversidade tudo o que soube utilizar ou transformar em seu proveito. De raiz latina, sílex é o nome de uma rocha sedimentar essencialmente siliciosa, ou seja, um silicito, como se diz na moderna nomenclatura petrográfica, e é étimo das palavras silício, o elemento químico, sílica, o dióxido de silício (SiO2) e silicon, um material bem conhecido em cirurgia reconstrutiva. Na origem, significou, também, pedra e calhau. Sendo pedra, o seu uso pelos nossos remotos antepassados, na produção de utensílios vários, deu nome ao período da Pré-história referido por Idade da Pedra. Artefacto de sílex. Imagem obtida em «sylvie-tribut-astrolog.com» Sílex, mostrando a fratura conchoidal/concoidal característica. Notar a crosta (patine) acastanhada clara, de opala e… hidróxido de ferro, no córtex. Imagem recolhida em «ancientpoint.com» Em termos populares é a pederneira, isto é, a pedra capaz de produzir centelhas ou faíscas quando percutida ente si ou pelo ferro. Em virtude dessa capacidade recebeu, também, o nome de pedra-de-fogo, tendo sido utilizado, sobretudo, nos séculos XVII e XVIII, em peças de artilharia, mosquetes, bacamartes e pistolas. O sílex foi descrito pelos autores franceses como uma silicificação no seio de um calcário de granularidade muito fina e pouco coeso do Cretácico superior (que se pode ver nas brancas e escarpadas arribas francesa e inglesa que ladeiam o Canal da Mancha) a que se dá o nome de cré e que é interpretado como um produto da diagénese e, portanto, posterior à sedimentação do referido calcário. Arribas de cré com leitos de sílex na Normandia, França. Imagem obtida em «lerelaisduboneur.com.» Pormenor do cré, na base da arriba, com interstratificação de nódulos de sílex negro. Imagem obtida em «ruedeslumieres.morkitu.org» . No decurso deste processo, a sílica gera nódulos ou concreções (de alguns centímetros a alguns decímetros) distribuídos segundo as juntas de estratificação, desenhando cordões e, ainda, ao longo de fracturas que permitem a progressão da sílica. Com sílica quase a 100%, o sílex é uma rocha muito compacta, homogénea, dura mas frágil, com fractura conchoidal característica, particularidade habilmente aproveitada pelos nossos antepassados mais remotos. A expressão Idade da Pedra Lascada, corrente em muitos textos, alude a este tipo de fractura igualmente própria do quartzo macrocristalino (nomeadamente, o hialino e o defumado), do jaspe, do vidro vulcânico (obsidiana) e do quartzito. O sílex do cré é essencialmente constituído por quartzo microcristalino (com 8 a 20 μm), habitualmente referido por calcedonite, alguma opala, rara argila, vestígios de calcite, de óxidos de ferro, responsáveis pelas tonalidades amarelada, acastanhada ou avermelhada que podem exibir, e de substâncias carbonosas que, quando em quantidade suficiente, lhe conferem a cor negra muito comum. Na periferia das concreções, ou nódulos, forma-se uma delgada crosta (patine), essencialmente de opala, finamente porosa, de aspecto pulverulento e, por vezes, penetrada por calcite. Todas as características do sílex indicam origem a partir de uma lama ou vasa predominantemente carbonatada (carbonato de cálcio), biogénica, contendo, à mistura, uma certa percentagem de restos esqueléticos siliciosos (de opala), em especial, espículas de espongiários, a que se associam restos de radiolários em menor quantidade. Numa fase precoce tem lugar a dissolução dos referidos restos siliciosos, seguida de migração e precipitação da correspondente sílica sob a forma de cristobalite, no seio do sedimento ainda não consolidado, gerando um material do tipo porcelanito. Numa fase tardia, a cristobalite recristaliza sob a forma de calcedonite, com segregação do carbonato de cálcio. Inicialmente usado para designar os nódulos siliciosos ocorrentes em rochas mais antigas do que o cré do Cretácico superior, o termo inglês chert, o mais divulgado entre os geólogos dos quatro cantos do mundo, abarca, praticamente, todos os silicitos litificados. Entre nós, este vocábulo tem sido usado com a grafia cherte e está na base de expressões, correntes entre os petrógrafos, como chertificado e chertificação, em substituição de silicificado e silicificação. Os autores mais recentes têm vindo a distinguir neste tipo litológico dois conjuntos, com base no modo de ocorrência. Assim, tem-se dado relevo, por um lado, aos que ocorrem sob a forma de estratos, conhecidos pela expressão bedded cherts e, por outro, aos limitados a acidentes descontínuos, sob a forma de concreções ou nódulos, no seio de outras rochas, divulgados como nodular cherts. Os primeiros incluem, entre os mais comuns, o jaspe, o lidito e o ftanito, sendo os segundos representados pelo sílex do cré, ou flint, o seu sinónimo em inglês. Não há uniformidade entre os diversos autores no uso da nomenclatura dos silicitos, uma situação que, aliás, se repete, com maior ou menor evidência, em toda a petrografia sedimentar. Os autores anglo-saxónicos preferem o termo chert, que abrange o material a que franceses e nós (por influência destes, nos primórdios da nossa investigação geológica) chamamos sílex. A tendência actual vai no sentido da internacionalização e generalização do chert, reservando-se sílex e flint como nomes da matéria-prima mais usada nos artefactos pré-históricos. Os calcários do Cretácico superior (Cenomaniano) da região de Lisboa e arredores exibem, com relativa frequência, nódulos e outras acumulações de sílex que foram exploradas na Pré-história. Dois destes afloramentos, classificados como geomonumentos pela Câmara Municipal de Lisboa, podem ser vistos nesta cidade, na Avenida Infante Santo. O Museu Nacional de Arqueologia e o Museu Geológico, do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) têm nos seus acervos abundantes testemunhos desta actividade dos nossos longínquos avós. Notas Calcedonite – variedade microcristalina de quartzo. Normalmente branca leitosa. A sua textura porosa, torna-a susceptível de alojar impurezas responsáveis pelas cores que pode apresentar. O termo radica em Khalkedon, antiga localidade junto a Istambul, por onde este material transitava na Antiguidade. Entre as calcedonites distinguem-se, com valor gemológico, ágatas, cornalina, sarda, plasma, prásio, crisoprásio e ónix. O mesmo que calcedónia. Coltan – nome abreviado do mineral columbite-tantalite o columbo-tantalite, uma solução sólida de columbite (Fe, Mn)Nb2O6 e tantalite (Fe, Mn)Ta2O6, de onde se extraem os elementos nióbio ou colúmbio e tântalo, dois óxidos que só muito raramente ocorrem puros. Usado no fabrico de computadores, telemóveis e outros equipamentos electrónicos. ( Cré – calcário marinho (90% ou mais de carbonato de cálcio), de grão muito fino, poroso e algo friável, essencialmente formado por cocólitos (estruturas calcárias nanométricas de algas unicelulares – cocolitoforídeos) e, por vezes, foraminíferos planctónicos. Cristobalite – mineral polimorfo de sílica que, no domínio sedimentar, forma as pequeníssimas esférulas que edificam a opala. O nome evoca San Cristobal, no México. Ftanito – pelito microcristalino, cinzento a negro (grafitoso), geralmente resultante de metamorfismo de baixo grau sobre vasas radiolaríticas antigas, depositadas em ambientes marinhos profundos. O mesmo que xisto silicioso. Jaspe – silicito calcedonítico ou microquartzítico impregnado de óxidos de ferro, de coloração variável entre o vermelho, o castanho e o amarelado, raramente verde. Corresponde, muitas vezes, à silicificação de vasas radiolaríticas. O nome radica no étimo hebreu antigo, iaschpeh, que terá passado no latim a iaspis. Lidito – silicito negro, usado como “pedra-de-toque” pelos ourives, descrito na região de Lydia, na Ásia Menor. Corresponde a um radiolarito chertificado com impregnação de matérias carbonosas. Opala – não sendo um mineral no sentido mineralógico do termo, é um material amorfo essencialmente constituído por esférulas de cristobalite e água. Pode também constituir o material de substituição epigénica de outros minerais (calcite, gesso ou glauberite) ou de fósseis. O termo deriva, provavelmente do sânscrito, upala, pedra preciosa. Entre as variedades desta pedra distingue-se a opala comum, não preciosa, e uma vasta gama de opalas iridescentes com valor gemológico. Porcelanito – rocha sedimentar siliciosa de aspecto semelhante a porcelana, constituído por cristobalite, com 4 a 9% de água. Representa uma fase intermédia entre a opala e o quartzo. Publicado 18th November 2013 por A. M. Galopim de Carvalho       Sílex Descrito pelos autores franceses como acidente diagenético no seio do cré (do Cretácico superior das altas, escarpadas e brancas falésias dos dois lados do Canal da Mancha)), o sílex corresponde, petrograficamente, a um cherte. (Cherte é uma rocha siliciosa de origem orgânica e de precipitação;) Ocorre, geralmente, em nódulos ou concreções de alguns centímetros a alguns decímetros, por vezes em corpos alongados nas juntas de estratificação, formando leitos contínuos ou desenhando “cordões” e, ainda, ao longo de fracturas ou diaclases que permitiram a progressão da sílica. O mesmo tipo de acidente, do lado inglês do Canal da Mancha, tem o nome de flint, termo simplificado de flintstone que significa pederneira. Com sílica quase a 100%, o sílex é uma rocha muito compacta, homogénea, dura mas frágil, com fractura conchoidal (2), essencialmente constituída por quartzo microcristalino (calcedonite), alguma opala, rara argila, vestígios de calcite, de óxidos de ferro (estes os responsáveis pelas tonalidades amarelada, acastanhada ou avermelhada que podem exibir) e de substâncias carbonosas que, quando em quantidade suficiente, lhe conferem a cor negra muito comum. Na periferia das concreções, ou nódulos, forma-se uma delgada crosta (cortex ou patine) esbranquiçada, de opala, finamente porosa, de aspecto pulverulento e, por vezes, penetrada por calcite. O sílex, popularmente conhecido por pederneira, ou “pedra de fogo”, ocorre associado às fácies carbonatadas micríticas, uma vez que os respectivos bioclastos, muito pequenos, têm comportamento dinâmico compatível com os respectivos ambientes de sedimentação. Todas as características do sílex indicam a sua origem diagenética a partir de uma lama ou vasa predominantemente carbonatada biogénica contendo, à mistura, uma certa percentagem de restos esqueléticos siliciosos, em especial, espículas de espongiários, a que se associam restos de radiolários, em menor quantidade. Numa fase precoce tem lugar a dissolução da opala-A dos referidos restos, seguida de migração e precipitação da correspondente sílica, sob a forma de cristobalite, no seio do sedimento ainda não consolidado, gerando um material do tipo porcelanito. Numa fase tardia, a cristobalite recristaliza sob a forma de calcedonite, com segregação do carbonato. Alguns autores admitem que este processo tem o concurso de algumas bactérias e outros sugerem que a nucleação da sílica no seio do sedimento é favorecida pelo aumento do teor de magnésio. Para além da componente diagenética, a substituição metassomática, embora menos pronunciada, está patente, por exemplo, na silicificação de foraminíferos e de macrofósseis (conchas e outras carapaças) inicialmente carbonatados. O termo foi retirado do latim, sílex, que significa pedra e calhau. Alguns autores propõem o vocábulo silexito em substituição de sílex, no sentido de respeitar as normas da nomenclatura petrográfica. Sob a designação generalizada de sílex, entre geólogos e pré-historiadores, referem-se as ocorrências no Cenomaniano superior, com rudistas, de Lisboa, Vila Nova de Ourém, Leiria, Monte Real, entre outros. Esta matéria-prima foi explorada desde a Pré-história em Campolide e no Vale de Alcântara, sendo ainda procurada no tempo dos bacamartes, ao produzir as chispas que incendiavam a pólvora. Na bibliografia são, por vezes, referidos tipos particulares de sílex menos divulgados. Entre eles destaca-se: sílex córneo, com o aspecto do corno; sílex menilite ou, simplesmente, menilite, constituído por nódulos de opala nas margas com gesso de Ménilmontant, do Eocénico de Paris; e o sílex néctico (do grego nêkticos, que nada) representado por nódulos com 1 a 10 cm nas mesmas margas. Os cristais de gesso inicialmente contidos nestes nódulos são dissolvidos, deixando uma massa cheia de vacúolos, o que lhes diminui a densidade para valores inferiores à unidade, tornando-os flutuantes na água.

Chailles

As chailles são os nódulos siliciosos, afins do sílex, formados no seio dos calcários do Caloviano-Oxfordiano da Bacia de Paris. A desagregação superficial destes calcários liberta os nódulos com 1 a 30 cm, de forma ovoidal, dando origem a um terreno pedregoso, a que os franceses chamam terrain à chailles (3). De cor acastanhada, este material diferencia-se do sílex pela superfície de fractura mate e pela ausência de córtex. Em lâmina delgada revela-se um calcário silicificado, contendo espículas de esponjas, grãos de quartzo detrítico e testemunhos residuais de calcário ou vazios resultantes da descalcificação. Neste caso, torna-se uma rocha ruiniforme, de aspecto cavernoso.

 

Respiração celular fevereiro 12, 2015

Filed under: B- Respiração — alemdasaulas @ 16:07
Tags: , ,

1 2 3 4 5 6

MB

 

Avaliação de Modelos 3D fevereiro 11, 2015

Filed under: A brincar também se aprende!,Avaliação,MODELOS — alemdasaulas @ 09:16
Tags: ,

AVALIAÇÃO DOS MODELOS 3D _universal

 

Fossilização fevereiro 6, 2015

poster_fossilizacao

 

Blogue sobre a Laguna de Aveiro janeiro 30, 2015

Filed under: Acontece,BIOLOGIA,CTSA,Geologia,LOCAL — alemdasaulas @ 10:31
Tags: , , ,

Aqui fica um blogue com informação diversa sobre a laguna de Aveiro que foi dinamizado em parceria com o sr. professor Leonel Seroto.

https://saidaslagunadeaveiro.wordpress.com/

blogue

 

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 44 outros seguidores