Alemdasaulas's Blog

Isto é uma espécie de portofolio ;P

Rochas Ornamentais maio 17, 2017

Filed under: 11.º GEOLO,CTSA,Geologia 11.º,G_RECURSOS,G_ROCHAS — alemdasaulas @ 17:10

Catálogo de Rochas Ornamentais (Portuguesas)- um dos problemas na utilização destes catálogos comerciais é que a grande maioria dos nomes comerciais não nos conduzem a lado nenhum. A área fotográfica de cada amostra nem sempre é representativa, Mas de resto não deixa de ser interessante no auxilio à identificação de rochas e da percepção da adequação das mesmas ao fim a que se destinam.

http://rop.lneg.pt/rop/FormPesquisa.php

 

 

 

Deslizamento(s) março 10, 2017

Deslizamento de terra por descongelamento do permafrost

(partilhado no FB pela Prof.ª Brígida Monteiro)

 

 

Pergelissolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Zona do Permafrost, no Ártico

Cunha de gelo.

Polígonos no permafrost

O permafrost ou pergelissolo (em português) é o tipo de solo encontrado na região do Ártico.

É constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados (do inglês perma = permanente, e frost = congelado, ou seja: solo permanentemente congelado). Esta camada é recoberta por uma camada de gelo e neve que, se no inverno chega a atingir 300 metros de profundidade em alguns locais, ao derreter-se no verão, reduz-se para de 0,5 a 2 metros, tornando a superfície do solo pantanosa, uma vez que as águas não são absorvidas pelo solo congelado.

Recomenda-se cuidado ao erigir edificações ou pavimentação neste tipo de solo, uma vez que, se a camada de permafrost for rompida, a edificação ou a pista pavimentada pode afundar no terreno.

 

Reciclagem- vidro e sílica (areia)

Divulgado pelo Prof. Rui Soares no FB

 

Cascata de areia fevereiro 26, 2017

Quando os sólidos se comportam como fluídos …

Divulgado no FB pela Prof. Sofia Ribeiro

 

Lítio em Trás-os-montes fevereiro 22, 2017

Fonte: http://www.ambientemagazine.com/reserva-de-litio-em-tras-os-montes-garante-dez-anos-de-exploracao/

Reserva de lítio em Trás-os-Montes garante dez anos de exploração

Reserva de lítio em Trás-os-Montes garante dez anos de exploração 

A Dakota Minerals confirmou ontem que Portugal tem uma das maiores reservas de lítio da Europa, avança esta terça-feira o Jornal i. O lítio é usado no fabrico de baterias a utilizar na indústria automóvel e no armazenamento de eletricidade.

De acordo com a empresa australiana, as mais de 50 perfurações feitas em 2016 em Cepeda, Montalegre, detetaram a existências de jazidas estimadas em 10,3 megatoneladas (milhões de toneladas) de pegmatite (rocha).

“Cepeda representa agora o maior recurso lítio num depósito de lítios-césio-tântalo em pegmatite na Europa”, lê-se no comunicado publicado ontem no site da empresa.
Para chegar até ao uso do lítios para baterias, a rocha é extraída do solo, de forma mecânica, e depois enviada por tapetes rolantes para várias fases de trituração e peneira. Passa depois por um processo de pré-flutuação que dá origem a uma polpa que segue para uma lavagem dos elementos. Este composto é depois seco e filtrado, sendo transformado em carbonato de lítio ou hidróxido de lítio.

O comunicado acrescenta ainda que “os resultados preliminares dos testes metalúrgicos indicam a hipótese de produzir” derivados de lítios com métodos convencionais e a empresa espera provar com a restante investigação, “que deverá terminar em abril/maio”, ser possível obter “carbonato de lítio em grau adequado à produção de baterias para o mercado na Europa”.

De acordo com o CEO da Dakota Minerals, David Frances, este “anúncio de recursos capazes de sustentar uma mina com uma vida útil de mais de dez anos” representa “um marco importante na nossa estratégia para nos tornarmos fornecedores sustentáveis do mercado de lítio na Europa”.
A empresa australiana vai investir, até 2019, entre 185 milhões e 370 milhões de euros na extração e processamento de compostos de lítio para fazer baterias em Cepeda.

O minério será processado no local com recurso à energia hídrica e serão usados camiões elétricos para faer chegar o produto às fábricas europeias, explicou David Frances no final de janeiro, citado pelo “Jornal de Negócios”. A concentração da extração e tratamento no mesmo local tem como objetivo reduzir as emissões poluentes.

Em novembro de 2015, a Dakota Minerals tinha anunciado que 2019 “coincide com a abertura de várias fábricas de baterias de lítio na Europa e a conclusão da expansão de capacidade nas atuais”.

– See more at: http://www.ambientemagazine.com/reserva-de-litio-em-tras-os-montes-garante-dez-anos-de-exploracao/#sthash.hqqQ6mIG.dpuf

 

 

As 24 cidades que vão desaparecer em Portugal por causa de aquecimento global janeiro 19, 2017

Não há como negar e as evidências são cada vez maiores! O aquecimento global está a provocar o degelo do Ártico e a subida do nível médio da água do mar. Sendo Portugal um país com uma frente marítima imensa e com a população a concentrar-se especialmente no litoral, são muitas as cidades em risco de ser inundadas, em maior ou menor escala, total ou parcialmente.

A situação é bem mais grave e séria do que se pensa. O degelo do Ártico está a avançar a um ritmo mais rápido do os cientistas calcularam inicialmente. Uma subida de 3, 4 ou 5 ºC causada pelo aquecimento global pode levar a um aumento de até 7 metros no nível da água do mar.

As imagens apresentadas neste artigo foram feitas tendo como previsão um aumento de 7 metros, algo que pode acontecer até 2050.

Confira 24 cidades que irão desaparecer por causa do aquecimento global:

 

[Cláudio Carneiro de Sines]

  • 1. Vila Real de Santo António
  • 2. Faro
  • 3. Olhão
  • 4. Portimão
  • 5. Lagos
  • 6. Tróia
  • 7. Setúbal
  • 8. Costa da Caparica
  • 9. Barreiro
  • 10. Moita
  • 11. Montijo
  • 12. Peniche
  • 13. Nazaré
  • 14. Figueira da Foz
  • 15. Montemor-o-Velho
  • 16. Ovar
  • 17. Espinho
  • 18. Aveiro
  • 19. Matosinhos
  • 20. Vila do Conde
  • 21. Póvoa de Varzim
  • 22. Esposende
  • 23. Viana do Castelo
  • 24. Caminha
  • 1. Vila Real de Santo António
  • 2. Faro
  • 3. Olhão
  • 4. Portimão
  • 5. Lagos
  • 6. Tróia
  • 7. Setúbal
  • 8. Costa da Caparica
  • 9. Barreiro
  • 10. Moita
  • 11. Montijo
  • 12. Peniche
  • 13. Nazaré
  • 14. Figueira da Foz
  • 15. Montemor-o-Velho
  • 16. Ovar
  • 17. Espinho
  • 18. Aveiro
  • 19. Matosinhos
  • 20. Vila do Conde
  • 21. Póvoa de Varzim
  • 22. Esposende
  • 23. Viana do Castelo
  • 24. Caminha
  • 1. Vila Real de Santo António
  • 2. Faro
  • 3. Olhão
  • 4. Portimão
  • 5. Lagos
  • 6. Tróia
  • 7. Setúbal
  • 8. Costa da Caparica
  • 9. Barreiro
  • 10. Moita
  • 11. Montijo
  • 12. Peniche
  • 13. Nazaré
  • 14. Figueira da Foz
  • 15. Montemor-o-Velho
  • 16. Ovar
  • 17. Espinho
  • 18. Aveiro
  • 19. Matosinhos
  • 20. Vila do Conde
  • 21. Póvoa de Varzim
  • 22. Esposende
  • 23. Viana do Castelo
  • 24. Caminha

Fonte:

http://muitobom.com/as-24-cidades-que-vao-desaparecer-em-portugal-por-causa-de-aquecimento-global/

 

 

Consultar: Um simulador já publicitado neste blogue sobre o tema:

https://calculatedearth.com/index.php

 

Congo- o paraíso infernal! novembro 12, 2016

Filed under: 11.º GEOLO,CTSA,Geologia 11.º,G_RECURSOS,Uncategorized — alemdasaulas @ 11:51
Tags:

 

Divulgado pela Prof.ª Brígida Strecht Monteiro.

O vídeo tem (apenas) cerca de 30 minutos. Não conta tudo, não mostra tudo mas  contem algumas imagens chocantes (como tem de ser, porque essa é a realidade!)

  • Que tipo de recursos existem no Congo?
  • O que pode explicar uma tão abundante riqueza de recursos (em particular geológicos) no Congo?
  • Como se explica a miséria humana em que o povo congolês tem vivido desde há décadas? Identifica aos responsáveis diretos e indiretos dessa miséria.
  • Comentem a posição do ex-presidente dos EU sobre o Congo.
  • Explica de que forma todos nós, de alguma forma, somos responsáveis pela miséria do povo congolês- propõe medidas diversas de atuação no sentido inverso.